sexta-feira, 30 de junho de 2017

A INVENÇÃO DE UMA PERSPECTIVA



“Fica se chamando de ‘artista’. Nessa alegria idiota o tempo todo, sem motivo nenhum: você é feia! Nordestina, gorda, cabelo de bombril, tem pouco dente, não tem diploma, não tem filho, não tem dinheiro, e tem medo de avião”.


“E você tem a elegância do sobrenome estrangeiro. É magra. Cabelo de seda. Todos os dentes. Diplomas. Filhos bonitos. Passeia na Europa. Por que não é alegre?”